Tudoem Ilhabela
Tudoem Ilhabela Tudoem Ilhabela Tudoem Ilhabela Tudoem Ilhabela Tudoem Ilhabela Tudoem Ilhabela Tudoem Ilhabela Tudoem Ilhabela Tudoem Ilhabela

Close
Fechar
De norte ao sul da Ilha, veja ao vivo
Tudoem Ilhabela

Autoridades do turismo do Litoral Norte

Fonte:Prefeitura de Ilhabela
Tudoem Ilhabela
Tudoem Ilhabela

Autoridades do turismo do Litoral Norte se reúnem para debater hospedagem colaborativa

Para guiar o encontro, a convite da Prefeitura, o empresário Bruno Omori apresentou um panorama da situação hoteleira e turística nacional e internacional

 

A Prefeitura de Ilhabela foi palco, na tarde de ontem (25), para uma reunião de discussão de hospedagem colaborativa como AirBnb e outros de tipos de hospedagem vistas, hoje, como irregulares sob determinados aspectos legais. Estiveram presentes o secretário de Desenvolvimento Econômico e do Turismo, Ricardo Fazzini, pousadeiros, hoteleiros e autoridades da área de turismo do Litoral Norte e, ainda, o convidado principal do encontro, Bruno Hideo Omori, presidente da Associação Brasileira de Indústria de Hotéis do Estado de São Paulo (Abih-SP).

Na ocasião, Omori explicou brevemente a atuação da Abih no País, apresentando dados a respeito das indústrias turística e hoteleira, ambas responsáveis pelo movimento de bilhões de reais anualmente, mas que, para ele, poderiam estar em um cenário ainda melhor se o Brasil investisse mais no público estrangeiro. O País tem, hoje, 22 milhões de pessoas viajando para o exterior, enquanto recebe apenas 6,6 milhões, sendo o 1º em potencial de recursos naturais, mas ocupando a 42º posição no ranking de recepção internacional.

O presidente da Abih levou à reunião também temas que hoje estão em pauta na Associação, como a cobrança por parte do Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição) dos direitos autorais em casos de reprodução de músicas em ambiente de hospedagem individual, e sobre a possível implementação da indústria de jogos no Brasil. “Na realidade já há jogos no Brasil hoje, a Mega-Sena, jogo do bicho, sem falar nos ilegais, caça-níqueis e alguns outros. A implementação do jogo formal no Brasil geraria centenas de empregos. Temos que pensar fora da caixinha”, apontou Bruno Omori.

O último e mais aguardado tema abordado na reunião foi a respeito da hospedagem colaborativa. Para Omori, as principais premissas que demandam a elaboração de uma legislação no caso da hospedagem colaborativa são: baixa segurança quanto a questões estruturais exigidas pelo Corpo de  Bombeiros, como escada de emergência, extintor de incêndio e detector de fumaça, equipamentos que em um hotel, na teoria, estão sempre revisados e sinalizados; não há check-in, o que aumenta a possibilidade de utilização indevida do imóvel, tanto para fins de exploração sexual de crianças e adolescentes como para outros delitos, como abrigo de terroristas (Omori citou o caso do atentado na França, no qual os terroristas utilizaram o serviço de hospedagem colaborativa por ser menos facilmente identificável); não há recolhimento de impostos nessa modalidade de hospedagem.

O convidado apresentou dados de casos nacionais e internacionais de cidades que implementaram legislações próprias para a regulamentação desse tipo de serviço, como Miami (EUA), Tóquio (Japão), Porto (Portugal) e, no Brasil, o case de Caldas Novas (GO), a primeira cidade do país a emplacar uma legislação deste tipo voltada à plataformas de aluguel de temporada. Cópias do documento foram, inclusive, distribuídas na reunião.

“Após esse encontro, e com as informações trazidas pelo Bruno, nosso próximo passo será estreitar laços com os conselhos de turismo de outros municípios, unir ideias e trabalhar em conjunto com a lei federal, que está sendo desenvolvida em Brasília, buscando assim criar nossa própria lei, não para banir, mas para regulamentar esse tipo de atividade em nosso Litoral”, finalizou o secretário Ricardo Fazzini.

Autor

Tudoem

Prefeitura de Ilhabela

Prefeitura de Ilhabela

ilhabela@tudoemilhabela.com.br

http://

Comentários

Voltar ao Topo